0800-000-5252 |

05/05/2017 - Profissionais da Secretaria Municipal de Saúde e do Instituto Corpore de Igarapava, realizam grupo de gestante - partos.


Foi realizado no dia 28/04/2017 na unidade básica de saúde Evaristo Nunes, município de Igarapava o grupo de gestantes com o tema tipos de partos.

 

Com o objetivo de proporcionar informações sobre os tipos de partos a educadora em saúde Priscila Mateus disse que umas das maiores dúvidas que alcançam as futuras mamães é: qual tipo de parto é o melhor?

De tempos em tempos vemos campanhas para modalidades específicas, seja o natural ou humanizado, mas é importantíssimo entender que esse pode não ser o parto ideal para você.

Os conselhos e dicas vêm de todos os lados, mas essa é uma decisão para ser tomada junto ao seu médico que irá recomendar o tipo de parto mais indicado para você dar à luz.

Quando a gravidez ocorre tranquilamente, o parto normal sempre é o mais indicado. Em caso de complicações ou urgência, a escolha da cesárea pode ser a mais adequada. Isso é definido ao longo do pré-natal e nas conversas com seu obstetra.

Aproveite os meses que antecipam o momento de dar à luz para tirar suas dúvidas e conhecer todos os tipos de parto juntamente com suas vantagens e desvantagens.

Priscila diz que se o pré-natal é feito com regularidade e a gestante não apresenta nenhuma complicação durante os nove meses, o PARTO NORMAL é uma opção válida. Nele, o bebê nasce no tempo correto e as contrações são aguardadas até o momento ideal para se dar à luz.

O parto normal acontece quando o bebê vem ao mundo pela vagina, podendo ocorrer uso de ocitocina (hormônio que estimula o trabalho de parto), anestesia e episiotomia (corte do períneo que facilita a saída do bebê).

A mamãe participa de todo os momentos do parto. A maioria dos hospitais também possuem técnicas para deixar a mãe mais tranquila e relaxada durante o parto.

A peridural e a ráqui são os dois anestésicos usados para esse tipo de parto, separadamente ou em uma combinação das duas, chamada de bloqueio duplo.

Uma das principais vantagens do parto normal é a recuperação imediata após efeito da anestesia.

Outra vantagem é o baixo risco de infecções e menor índice de complicações respiratórias para o bebê.

O risco presente nessa opção é a ruptura do útero, caso a mamãe tenha feito cirurgias anteriores.

No parto normal, a mamãe tem contato com o filho imediatamente após dar à luz!

Segundo a Organização Mundial da Saúde 15% dos partos acabarão na mesa de cirurgia, ou seja, sendo CESAREA.

No parto cirúrgico, a gestante recebe anestesia geral ou da cintura para baixo, a chamada peridural. Um corte com cerca de 20 centímetros é feito abaixo do umbigo até acima da vagina para retirada do bebê.

A mamãe vê o bebê rapidamente e é sedada para finalização da cirurgia, enquanto o bebê fica na sala de pediatria neonatal sob observação.

Ao contrário do parto normal, a recuperação não acontece no mesmo dia. Após a cesárea, a mamãe deve tomar cuidados com a cicatrização. Problemas na bexiga e prisão de ventre podem ser um dos efeitos colaterais após a cirurgia.

Esse tipo de parto pode trazer riscos ao bebê, como complicações respiratórias ou gerar uma infecção hospitalar.

A cesárea deve ser a opção em casos de complicação no parto normal, ou se a gestante possui algum problema de saúde, como pressão alta ou diabetes.

Além do parto normal e cesárea existem outros tipos de parto, veja:

Parto Natural

No parto natural, bastante confundido com o parto normal, não são realizadas intervenções com medicamentos e procedimentos, como corte do períneo ou anestesia de peridural ou ráqui. Nele, as necessidades da mulher são respeitadas e também deve ser acompanhado por um profissional da saúde.

Para realizar o parto natural são recomendados exercícios durante a gravidez para fortalecimento do períneo e musculatura da bacia.

Muitas mães que optam por esse tipo de parto preferem dar à luz em casa, na banheira, de cócoras ou mesmo na cama. Os mesmos métodos podem ser realizados em hospitais também.

Apesar de não sofrer intervenções, os riscos também estão presentes. Complicações na hora do parto podem acontecer exigindo outros métodos para o nascimento do bebê.

Se essa é uma de suas preferências, converse com seu médico para saber se é o indicado para sua gravidez.

Parto Humanizado

No Brasil há uma forte campanha pelo parto humanizado. Assim como no parto natural, as vontades da mãe são respeitadas.

Ela deve contar com o apoio de seu companheiro  e, muitas vezes, conta com a doula, uma acompanhante profissional preparada para dar suporte (emocional, físico e informativo) à mulher durante a gestação e o parto .

O parto humanizado propõe a experiência total sobre o processo de dar à luz para a mãe, seu parceiro e o bebê que está chegando. A ideia é que a obstetrícia auxilie, mas não interfira no parto.

Parto a Fórceps ou Parto por Vácuo Extrator

Nesse tipo de parto, um instrumento é usado para retirada do bebê quando ele está em sofrimento fetal ou a mãe não consegue fazer forças para a descida no canal vaginal.

No caso do fórceps, são ajustadas duas pás na cabeça do bebê e ele é puxado. No vácuo extrator, uma ventosa de metal ou silicone ligado a uma pequena bomba a vácuo é ajustada na cabeça do bebê.

No Brasil, o uso do fórceps não está entre as principais opções dos médicos, sendo utilizado apenas quando necessário em momentos de complicação do parto para ajudar na saída do bebê.

Parto na Água

O parto na água também acontece pelo canal vaginal e pode ser realizado no hospital ou em casa.

A mamãe se mantém posicionada em uma banheira com água em temperatura de 36º, que pode trazer conforto e alívio.

Esse tipo de parto é acompanhado por médicos e auxiliares e não impede uso de medicação caso necessário, mas não é recomendado para as mulheres com diabetes ou pressão alta.

Os riscos são os mesmos encontrados no parto normal: o de ruptura do útero. A vantagem de recuperação rápida também se assemelha com o parto normal.

Parto de Cócoras

A diferença entre o parto normal e o de cócoras é apenas a posição, que permite mais conforto e alívio das dores para algumas mulheres.

Para esse tipo de parto de cócoras existe uma cadeira especial disponível para o apoio da mamãe e que também auxilia o obstetra durante o processo.

Nesse caso, o bebê deve estar posicionado e encaixado para que o parto ocorra tranquilamente. Em situações de risco, não é um dos tipos recomendados.

A saída do bebê acontece de maneira rápida devido a posição. Assim como no parto normal, a recuperação é rápida.

As opções são muitas, mas o que irá determinar o tipo de parto para a chegada do seu bebê será o seu pré-natal e sua conversa com o médico.

Tire todas as dúvidas com seu obstetra e se informe para que você fique tranquila para o momento mais esperado de sua vida: A HORA DE DAR A LUZ!!!!

A ação contou com a participação de 5 pessoas e foi proporcionada pela enfermeira Janaína Garcia, técnicas de enfermagem Hellen Jaqueline,keithy Soraya, Drª Hellen Caroline, educadora em saude Priscila Mateus e agentes comunitárias de saúde. 


Voltar

Social: